Volta à Ilha 2017 – Dupla Born to Run


É terceiro!!! Cadê a minha IPA? Luciano, me dá isso logo! Que maravilha, que delícia de gole foi aquele. Meus olhos rolaram de prazer. Só tinha uma posição sem dono naquele pódio, um lugar a ser disputado. Salvo desastre com as duplas favoritas, é o que poderíamos almejar. E conseguimos. Esse terceiro lugar era nosso. Nosso com autoridade. Que dia incrível. Não quebrei!  Continue lendo “Volta à Ilha 2017 – Dupla Born to Run”

Lagoa dos Ventos Uivantes


O alarme despertou às cinco da manhã, mas eu já estava acordado desde as três com as insistentes rajadas de vento que balançavam as árvores, cujos galhos acariciavam o telhado da casa. Água caía do céu, borrifando a civilização desacordada. Os meus pensamentos oscilavam entre os preparativos para a corrida e as lembranças do dia anterior. Nem lá nem cá, era hora de levantar. Continue lendo “Lagoa dos Ventos Uivantes”

Uma tarde com o Luqui: trilhas, conversas e um espresso, por favor.


Quando o meu amigo do triathlon Lucas Helal, o Luqui, pediu para levá-lo para correr em trilhas, inicialmente minha reação foi de surpresa, depois satisfação por ele ter me escolhido. O Lucas é um atleta muito forte que conheci no ano passado em um longo de bike. Depois desse dia conversamos ocasionalmente e mantivemos algum contato, mas há tempo não nos falávamos. Ele queria uma experiência nova. E se tem uma coisa que eu adoro fazer é propor uma corrida, um pedal, ou qualquer outra “aventura”. Gosto de planejar, pensar nos detalhes, o que, como e quando. Para mim é como se estivesse compondo uma obra, onde tanto prelúdio quanto o epílogo são componentes essenciais. Continue lendo “Uma tarde com o Luqui: trilhas, conversas e um espresso, por favor.”

Giro dello Espresso


Hoje foi dia de pedalar com o Alírio Seidler, um cara muito forte no pedal. Diria até uma máquina. Ele é deficiente visual, o que significa que quando pedalo com ele é em uma tandem, eu de capitão e ele de fogueiro, o que coloca a lenha ou carvão no forno.

Saímos com a intenção de fazer um pedal leve, talvez com uma subida do Morro da Lagoa. O tempo estava ótimo, ensolarado e não muito quente. O meu joelho direito anda incomodando um pouco por causa das estripulias das últimas semanas, então eu não queria abusar muito.

Continue lendo “Giro dello Espresso”